Desejo incontrolável por doces e o seu efeito desastroso na saúde e na silhueta

Desejo incontrolável por doces

É sabido que o açúcar é considerado “quase um veneno” pelos efeitos devastadores que têm no nosso corpo, no que se vê e no que não se vê.

 Se para alguns é fácil privarse de açúcar, nas bebidas consumidas no dia a dia, ou no snack do meio da manhã, para outros é muito difícil. A dependência e desejo difícilmente controlável de doces, tem-me intrigado e resolvi investigar, lendo, ouvindo nutricionistas e na net, onde estudiosos e cientistas partilham o seu saber, e onde todos podem ir verificar e obter mais imformações.

Então é assim:

Esse desejo, quase vício, de gulodices pode evidenciar uma falta de crómio, facilmente detectável por analise.

Os correctos níveis de crómio influenciam o colesterol, a glicemia, a tenção arterial, reduzem gordura do corpo e contribuem para que os hidratos de carbono sejam aproveitados como fonte de energia e não sejam transformados em gordura que fica armazenada no nosso corpo.

Não sendo o açucar produzido pelo organismo só o podemos obter pela alimentação

Consumido diariamente em dosis apropriadas reduz o cansaço, a falta de energia, ajuda a manter o peso e diminui a vontade de comer doces.

Ter dificuldade em resistir aos doces e aos hidratos de carbono pode ser um sintoma de carência de crómio.

Se é o seu caso é melhor verificar se os seus valores de crómio estão em equilíbrio antes de se pôr a tomar complementos alimentares.

Boas fontes de crómio

Carnes, batata principalmente na casca, queijos, cereais, banana, maçã, laranja, uvas, ovos, cogumelos, pimento verde

Levedura de cerveja, para além de outras coisas, é uma excelente fonte de crómio. A nossa “dica” Levedura de cerveja tomada com um bom copo de água 30m antes das principais refeições corta o apetite e ajuda a emagrecer

Nunca é demais lembrar que a saúde e portanto a vida é semper uma questão de equilíbrio . Mantenhasse  Saudável & Feliz.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.